W Notícias

Bordado surge como terapia na quarentena

O ano de 2020 entrou para a história, atravessado por nada menos que uma pandemia, que afetou não apenas o Brasil, mas o mundo inteiro. 

É certo afirmar que não sairemos os mesmos dessa experiência, e levaremos por muito tempo as transformações na rotina e nos hábitos que foram necessárias para adaptar o dia a dia a esse novo momento.

Isolamento e distanciamento social, quarentena e cuidados redobrados com a higiene para evitar a disseminação e contaminação pelo coronavírus e a Covid-19 se tornaram regras, e milhares de pessoas se viram obrigadas a passar mais tempo em suas casas.

Com essa mudança brusca na rotina pessoal e profissional, o tempo e o espaço ganharam novos significados, e para driblar a preocupação, a tensão e o estresse, as pessoas passaram a buscar maneiras de lidar com o confinamento. 

Iniciar um curso ou novos projetos, tocar um instrumento, fazer atividades físicas, encontrar formas de aumentar a renda, empreender ou iniciar uma nova profissão são alguns exemplos do que as pessoas tem feito durante o confinamento para tentar superar as adversidades.

Dentre essas e outras práticas, uma que vem ganhando destaque nesta quarentena, é a atividade manual, e o bordado está entre elas. Conheça um pouco mais sobre essa ocupação e por que bordar pode ser uma saída para manter em dia a saúde mental e o bem-estar.

O que é o bordado

A história do bordado remonta a antiguidade, acredita-se que pode ser uma das práticas manuais mais antigas após a descoberta da agulha. Ele esteve presente na maior parte dos povos e culturas, com os mais variados significados e funções, seja como adorno, ornamento ou tradição religiosa e reflete o modo de  ser e os costumes daqueles que se dedicavam ao ofício. As peças mais antigas que se tem registro foram encontradas no Egito.

O bordado é um trabalho feito à mão ou à máquina, com agulhas e fios de vários tipos que tem o objetivo de criar pontos, desenhos e motivos, utilizando diferentes técnicas.

Para algumas pessoas o contato com essa manualidade aconteceu na infância. De acompanhar avós, bisavós, mães e tias manipulando a dupla agulha e linha com maestria, para criar desenhos coloridos em panos de prato bordado, toalhas, algodão, e nas várias opções de tecido em que é possível empregar a técnica.

E essa experiência traz uma característica afetiva e familiar significativa, provável motivo pelo qual hoje, o bordado se torne uma atividade cada vez procurada – tanto por homens quanto por mulheres – num momento tão complicado e incerto quanto essa vivenciando a pandemia do coronavírus.

Os benefícios do bordado

Mesmo que atualmente existam máquinas que consigam executar um bordado perfeito e serem mais rápidas do que a mão humana jamais seria, mas o bordado à mão não perdeu sua força. Na contramão dos avanços tecnológicos e digitais, a prática se renova e ganha cada vez mais adeptos.

O bordado vem sendo explorado de muitas formas e ultrapassou os limites de sua função utilitária e estética. Nos dias de hoje é um aliado poderoso para a arteterapia, e para o desenvolvimento de atividades fundamentais para o ser humano, como a memória, o aprendizado, a criatividade, na coordenação motora e na concentração.

Além disso, o bordado tem o potencial de fazer a pessoa que o pratica entrar em estado meditativo. O movimento repetitivo das mãos, a concentração e o envolvimento em cada ponto, trazem uma sensação de relaxamento profundo. 

A ciência já comprovou que a meditação proporciona inúmeros efeitos positivos a seus adeptos, trazendo uma melhora na qualidade de vida, diminuição do estresse e da ansiedade, e aumento das habilidades da memória.

Esse processo auxilia na conexão com as próprias emoções e no autoconhecimento, levando a uma percepção mais aguçado de si mesmo e, consequentemente do mundo ao redor.

Para além do hobby

A presença do bordado manual na vida moderna e atribulada, que ganhou uma nova dimensão após a pandemia, se torna cada vez mais comum. 

Ter um tempo para se dedicar à prática se tornou um refúgio para muitas pessoas. Um momento para esquecer os problemas, ou buscar clareza para solucioná-los, uma possibilidade para desconectar das redes, e uma forma de descansar a mente.

Nesse processo, muitas pessoas descobriram no bordado, além de todos os benefícios que ele carrega e sua função terapêutica, uma fonte de renda extra. 

Apresentar os feitos e os resultado dos esforços durante aprendizagem e domínio da técnica pode ser uma porta de entrada para garantir um dinheiro a mais nesse tempo ocioso que a pandemia impôs para muita gente.

Se você deseja conhecer mais sobre o bordado, aprender as técnicas e aproveitar todas as vantagens que ele pode trazer para sua vida, sugerimos que faça uma rápida pesquisa na internet.  

É  possível encontrar uma infinidade de tutoriais e passo-a-passo, os materiais necessários para começar e as várias  possibilidades incríveis que só essa prática tradicional pode proporcionar.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.